Após críticas, secretário contrapõe vereadores


“Aqui não tem secretário fraco, tem secretário honesto”, rebate Fernandes

Assunto recorrente há algumas semanas, há pelo menos três, o transporte escolar voltou a ser lembrado na Sessão Ordinária da Câmara de Vereadores, na última terça- feira, quando em suas falas criticaram a decisão do município de parar de realizar o transporte público municipal de estudantes do Ensino Superior da Gleba Triângulo e do Distrito de São Jorge. Ao saber da repercussão que o assunto tomou, o secretário de Educação do município, Adriano Fernandes concedeu entrevista, onde aproveitou para esclarecer tanto aos vereadores, quanto aos alunos e pais o que realmente está acontecendo. “Há alguns anos atrás, essa linha foi criada com a finalidade de trazer para a cidade alunos do ensino médio e do EJA e também profissionais da educação que aqui realizavam um curso chamado Pró Funcionário, e com isso como o ônibus não vinha cheio, acabava usando o bom senso e trazendo os universitários ou alunos da rede estadual, mas quando começou a ser ofertado esse ensino na localidade eles deixaram de utilizar o transporte, que foi mantido por causa dos profissionais que faziam esse curso”, pontua o secretário respaldado pela Lei Municipal 3.682, de 30 de novembro de 2011. 

Segundo Fernandes, isso foi realizado até que o curso, que era presencial passou a ser online, perdendo então a finalidade da linha em questão, pois os professores não necessitam mais vir ao município para realizá-lo. 

Ainda conforme o gestor, a mesma Lei é clara quanto ao transporte de alunos do município e em momento algum trata do transporte para o nível superior. “Art. 2º Para utilizar o transporte escolar a aluno deverá residir na zona rural e estar matriculado em escola pública que oferte o ensino fundamental e ou/ médio”, cita trecho da Lei. 

“Isso quero deixar bem claro que não é uma retaliação, e não foi uma decisão tomada sozinha, mas por um conselho que tem a finalidade de fiscalizar e entendeu que isso não é legal. Temos uma lei criada pelos gestores e assinada pelo há época secretário de Administração, hoje vereador, Vagner Constantino que nos ampara e nos dá os parâmetros legais. Aqui não tem secretá- rio fraco, tem secretário honesto. Estou a disposição para discutir o assunto e trabalhar dentro da legalidade”, enfatizou o secretário.

Por Rosi Oliveira - Redação Diário da Serra

Evasão escolar em Tangará da Serra está abaixo da média do Estado

Mato Grosso tem 55.176 mil crianças e adolescentes de 4 e 17 anos fora da escola, segundo levantamento feito pelo movimento Todos Pela Educação. Os dados levam em consideração os resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Conforme o Prof. Adriano Alves Fernandes, Secretário Municipal de Educação e Cultura –SEMEC de Tangará da Serra, os dados do Estado não atingem o município. “Em Tangará da Serra nós andamos um pouco na contramão desses números que parecem tão assustadores. Aqui em Tangará há uma certa tranquilidade. A nossa faixa etária de idade para atendimento obrigatório vai dos 4 aos 17 anos e temos uma frequência escolar quase 100%; há pouquíssima evasão escolar em Tangará da Serra”.

O Secretário destacou que isso se dá devido ao trabalho de políticas educacionais realizado pela gestão, envolvendo toda a comunidade escolar. “São feitas diversas ações, desde as mais complexas às mais pontuais. O que causa a evasão escolar é a reprovação e a distorção de idade e série, que é colocar o aluno na idade que ele está na série correta que ele deveria estar, então para isso a Secretaria faz outras ações de acompanhamento, de plano de intervenção e reforço escolar. O aluno quando falta a escola com três faltas consecutivas ou alternadas na mesma semana, nós acionamos os pais, não havendo resultado, acionamos o Conselho Tutelar que faz o acompanhamento. Obrigatoriamente o Conselho tem que visitar essa família, para verificar a ausência do aluno na escola. Nós fazemos todo o possível, todas as medidas para que o aluno permaneça na escola e não haja evasão escolar. Fazemos um mapeamento para identificar onde o número de evasão escolar é maior, qual região, fazemos ações sociais integradas a educação com projetos em contra turno oferecendo transporte escolar que é fundamental para que o aluno da zona rural vá a escola para que ele não fique esquecido no campo, então são diversas ações que contribuem para que Tangará da Serra não faça parte dessa estatística de forma negativa”.

No entanto, apesar de todo o empenho da gestão, Prof. Adriano salientou que alguns casos fogem do poder da Secretaria. “Existe evasão sim, existem alunos fora da escola, mas isso foge um pouco do poder da Secretaria, talvez seja uma questão mais social. As vezes o adolescente tem um problema familiar ou social que os pais não conseguem pôr na escola porque o próprio aluno quer e os pais não têm controle, ou as vezes os pais tentam transferir o filho, mas não conseguem vaga e ficam com a transferência em mãos, então existem esses problemas pontuais, mas nós trabalhamos no intuito para que todas as crianças e adolescentes de 04 a 17 anos estejam matriculadas”.

Por Aline Schwaab com Heverton Luiz - Redação Rádio Pioneira

Aulas de zumba são oferecidas na Vila Olímpica nas terças e quintas

A atividade está disponível gratuitamente para a população no horário das 17:30 às 19:30. Não é necessário fazer inscrições. “Quem quiser participar, basta comparecer neste horário nas terças e quintas lá na Vila Olímpica”, explicou o Secretário Municipal de Esportes Wellington Bezerra.

As aulas acontecem a partir de parceria firmada entre a Secretaria Municipal de Educação, através do Departamento de Cultura e Secretaria Municipal de Esportes. “Fizemos uma parceria através do Departamento de Cultura, onde entramos com espaço, caixa de som e a SEMEC com o instrutor. Então, todas as terças e quintas-feiras das 17:30 às 19:30 temos lá a Zumba como modalidade de desenvolvimento cardiovascular”, destacou Bezerra.

As aulas são ministradas pelo Professor Wellington Machado, direcionadas a toda a população interessada. A atividade dota os participantes de um condicionamento físico.

O Secretário Wellington Bezerra disse que a ideia é ampliar a atividade, oferecendo-a todos os dias da semana. “No momento só temos possibilidade neste horário, mas a ideia é trazer também para o espaço do Módulo Esportivo e atender a população da Vila Alta e região central. Hoje a Vila Olímpica já contempla o pessoal do Grande Tarumã, Vila Horizonte e Jardim Olímpico. Daqui há algum tempo poderemos usar também o espaço no Mané Garrincha e aos poucos vamos dotando a Secretaria com as atividades necessárias para a prevenção à saúde também”.

Fonte: Marlenne Maria com Heverton Luiz - Redação Rádio Pioneira

Formação Continuada da SEMEC é aberta à comunidade em geral

Prof. Adriano Fernandes, Secretário Municipal de Educação e Cultura de Tangará da Serra

Em entrevista coletiva na manhã desta quinta-feira (16), o Secretário Municipal de Educação e Cultura, Prof. Adriano Fernandes, falou sobre a abertura para participação de qualquer profissional no projeto de Formação Continuada do município de Tangará da Serra.

De acordo com o Secretário, anteriormente essa possibilidade só era fornecida a quem era da rede, efetivo ou contratado. “Nossa formação continuada em rede vai passar agora por algumas mudanças. Nos anos anteriores, a formação continuada era realizada apenas para servidores efetivos e contratados da rede e esse ano estamos abrindo para os profissionais que desejam participar e que desejam fazer o processo seletivo do município no final do ano. Essa formação continuada tem peso no processo seletivo, pois conta pontos na seleção do candidato e estava restrita apenas a servidores efetivos e contratados. Esse ano estamos abrindo para aqueles que pretendem concorrer a algum cargo na SEMEC através do processo seletivo que terão também a oportunidade de realizar a formação continuada”, disse.

Conforme o Secretário, os interessados devem procurar a SEMEC, na Prefeitura Municipal, para realizar a sua inscrição. “Lembrando que a formação em rede deve começar nas próximas semanas. No caso de professores, devem vir munidos do documento de graduação original e uma cópia que vai servir para a sua matrícula. E aqueles que pretendem concorrer a outros cargos que a SEMEC oferece formação continuada, também podem participar. Nossas formações acontecem durante a semana a noite, algumas em finais de semana e outras a tarde. Para cada área de formação, nós fazemos um cronograma para o ano todo”, pontuou.

O Secretário destacou ainda que não foram estipulados número de vagas para a Formação Continuada. “Estamos esperando ver qual será a demanda; à medida que as inscrições forem feitas, a SEMEC vai se adaptando, abrindo novas turmas, caso seja necessário. No ano passado, quando cheguei na SEMEC, o processo seletivo já havia sido feito e estava em fase de contagem de pontos. Passou-se o ano, foi um ano tumultuado, de muito trabalho e muitas mudanças e não foi possível realizar todo o planejamento. Mas neste ano, a intenção é democratizar. Então para o próximo processo seletivo, todos que têm interesse em participar, poderão fazer a nossa formação continuada aberta, formação em rede e terão a mesma oportunidade daqueles que já estão no município”.

Outra mudança proposta pela pasta, conforme o Secretário, é a não contagem de tempo de serviço para a convocação dos selecionados. “Aquele que está na rede, que já passou pelo processo seletivo, quando fizer novamente conta ponto por tempo de serviço e isso não vai mais acontecer, porque assim a gente vai oportunizar aquele profissional que acabou de sair da faculdade e precisa do seu primeiro emprego, mas fica em desvantagem porque ele não conta esse tempo de serviço, porque não teve oportunidade. Então é democratizar, dar oportunidade a todos e serão selecionados aqueles que forem bem na prova escrita, aqueles que possuem títulos e todos que vão contar pontos pela formação, terão direitos iguais”, concluiu.

Fonte: Aline Schwaab com Heverton Luiz - Redação Rádio Pioneira