Escola Ayrton Senna e Creche Tia Lina realizaram mostras culturais

Duas instituições que integram a rede municipal de ensino em Tangará da Serra realizaram mostra cultural. Na última quinta-feira, 30, o Centro Municipal Ayrton Senna, localizado no Jardim Tanaka, realizou a atividade. Já na sexta, 01 de dezembro, foi a vez da Creche Tia Lina, da Vila Esmeralda.

De acordo com Cleonilce Cristófoli Bariviera, diretora da escola Ayrton Senna, o evento foi especial para alunos, equipe de professores e comunidade externa que puderam contemplar diversas apresentações de cunho cultural e científico. 

“Foi apresentado para os pais e para a comunidade escolar tudo o que as crianças desenvolveram no ano letivo de 2017. Teve dramatizações, apresentação de músicas, entre outras atrações”, salientou, ao avaliar positivamente a atividade. “Foi muito bom, a participação dos pais foi muito importante. Eles estiveram presentes durante o evento, os pais elogiaram as crianças, os professores também gostaram da interação, nossa avaliação foi boa com esse trabalho”, complementou. Para Shirlene Chierigatti, diretora da creche Tia Lina, o envolvimento de todos foi fundamental para que a instituição pudesse realizar novamente sua mostra. 

“O evento cultural da Educação infantil é de extrema importância para a comunidade. Os pais veem o resultado do trabalho da creche, então, eles vem no dia a dia, vão nas salas, mas quando você faz um evento como esse, consegue mostrar todo o trabalho que as crianças confeccionaram durante o ano e isso traz uma alegria e felicidade sem tamanho”, destacou. 

Esta foi a sétima edição da mostra organizada pela creche. Para o ano que vem, o evento tradicional deve ocorrer mais uma vez. 

“Já é a sétima edição, ano que vem tem a oitava e não vamos parar. Estamos sempre inovando, agora fizemos os trabalhos com tudo reciclado e o que era para ir para o lixo virou arte e esse foi o resultado que todos puderam apreciar”, concluiu Shirlene.

Fonte: Paulo César Desidério - Redação DS

Centro Municipal de Ensino Jesu Pimenta realiza V MOSTRA CULTURAL

O evento foi realizado na última sexta-feira, 24

O Centro Municipal de Ensino Jesu Pimenta, localizado no Altos do Tarumã, realizou na última sexta-feira, 24, a V MOSTRA CULTURAL “É BEM MATO GROSSO”, que tratou da história de Mato Grosso, dos seus costumes e da sua cultura.

O evento foi prestigiado pelas famílias dos alunos que participaram, demonstrando uma total integração entre a Escola e os familiares. Cada apresentação ficou a cargo das professoras e suas equipes, que com muito esmero e dedicação, conseguiram retratar nos mínimos detalhes sobre os temas apresentados. Cada apresentação foi muito aplaudida pelo público presente que lotou as dependências do Centro Municipal de Ensino Jesu Pimenta.

Para a Professora Edna Belmiro de Paulo, Diretora da creche, o público presente superou as nossas expectativas. “Ficamos muito felizes em ter realizado mais um evento com total aceitação dos pais e presentes”, comentou a Diretora.

Assessoria de Imprensa

Centro Municipal de Ensino José Nodari realiza XX Mostra Pedagógica

Evento contou com a participação de todos os alunos da escola

O Centro Municipal de Ensino Prof. José Nodari realizou na última sexta-feira, 15, no período matutino e vespertino, a XX Mostra Pedagógica “Construindo e Socializando Diferentes Saberes”. O evento contou com a participação dos alunos da Educação Infantil ao 9º ano Fundamental e foi supervisionado pelos Professores e Coordenadores que observaram atentamente a explicação dos grupos de trabalhos que foram organizados, para dar explicações aos participantes.

Foram abordados temas como: Sistema Solar, Métodos Contraceptivos, Projeto Contação de História, Aprendendo os Valores, O Circo, Brincando com Sólidos Geométricos, O Ambiente Terrestre e o Bondinho. A Mostra é realizada uma vez por ano e contou com a participação de todo corpo docente do CME José Nodari, que é dirigido pelo Prof. Pedro Donizete Furquim.

O Prefeito Fábio Martins Junqueira e o Secretário Municipal de Educação e Cultura Prof. Adriano Fernandes estiveram presentes e elogiaram a organização e o empenho dos organizadores no sucesso da XX Mostra Pedagógica.

Assessoria de Imprensa

Na contramão de outros municípios, Tangará conta com intérpretes

Município conta com com aproximadamente 10 intérpretes

Diferentemente do cenário apresentado em alguns municípios, o problema da falta de intérpretes nas escolas públicas não existe há pelo menos 20 anos em Tangará da Serra. Atualmente, o município conta com cerca de 10 intérpretes de libras, profissionais esses que são fundamentais para o bom desenvolvimento do ensino pedagógico da pessoa com deficiência auditiva.

De acordo com a diretora da Centro Municipal Integrado de Educação Especial Prof. Isoldi Storck, Daniela Lamtert, a instituição oferece o atendimento para os alunos surdos no contra turno do ensino regular visando preparar melhor os alunos com deficiência auditiva. “O aluno surdo vai para a escola regular, e o trabalho é reforçado em outro turno aqui na Isoldi, onde é realizado o aprimoramento da língua de sinais. Além disso, os estudantes fazem atividades e tarefas que as escolas pedem, sendo um reforço para o aprendizado”, comentou a diretora da instituição, relatando que os intérpretes do município são distribuídos nas escolas públicas, onde prestam o auxílio necessário durante o ensino regular.

“Dois intérpretes atuam nas escolas municipais José Nodari e Antenor Soares, e os outros profissionais ministram aulas nas escolas estaduais. Isso é muito importante e fundamental para a comunicação dos alunos que necessitam desse serviço. Os estudantes surdos têm aulas nas escolas, mas se não tiverem o intérprete para traduzir a língua, não tem como participar das atividades efetivamente”, relatou Lamtert, informando aindam, que além das aulas de libras, a Escola Isoldi Storck também oferece outros tipos de atividades, como esportivas e teatrais destinadas a cegos, surdos e mudos.

Na Escola Estadual 13 de Maio, por exemplo, as atividades com intérpretes já vem sendo realizadas há alguns anos. Segundo a diretora da instituição, Luciana Alberto Nascimento, atualmente a escola conta com três profissionais especializados. “A escola precisa se adequar para ser inclusiva. Para se comunicar, o aluno surdo precisa do intérprete, pois é fundamental para a interpretação das disciplinas”, enfatizou a responsável. Para a instituição ter o profissional de libras, é necessário que formule um pedido diretamente para a Secretaria de Educação após a matrícula da pessoa com deficiência auditiva. “Tem situação onde o aluno surdo é totalmente dependente do intérprete, então a escola tem a função de educar, e o foco principal é o aprendizado”, finalizou a diretora.

Rodrigo Soares - Redação DS