Obras internas do Anfiteatro Municipal são concluídas

Restam ajustes do lado de fora, incluindo reforma dos banheiros

Orçada em R$ 109.227,57, a reforma do anfiteatro municipal está próxima de um desfecho. Pela primeira vez, o espaço localizado no Centro Cultural Pedro Alberto Tayano passa por readequação em toda a sua estrutura interna e externa.

Conforme o responsável pela Secretaria Municipal de Educação e Cultura (Semec), Adriano Fernandes, restam apenas ajustes na parte externa do local. Por conta disso, a pasta trabalha junto da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Sinfra) para executar obras também nos banheiros.

“O anfiteatro está praticamente pronto. A parte que era da empreiteira, que estava licitada, está pronta. Mas nós, em parceria com a Sinfra, ainda estamos trabalhando na área externa, reformando os banheiros que não estão prontos ainda para podermos reinaugurar”, afirmou Adriano.

Internamente, o anfiteatro recebeu novo revestimento de parede, ajustes no setor elétrico, novo forro, piso e pintura, além de adequações de acessibilidade com inserção de rampa de acesso para deficientes físicos.

“Todo o serviço mais pesado já foi concluído. O que está restando agora são alguns detalhes. As novas poltronas estão em processo de licitação e os banheiros estão com as reformas em andamento”, acrescenta o secretário.

Conforme Adriano, as poltronas serão todas substituídas por novos assentos. Com isso, as cadeiras antigas serão realocadas para outros espaços que pertencem ao município.

“As poltronas antigas serão usadas em outros auditórios. Tem auditórios de algumas escolas que serão reformados e ampliados e essas outras poltronas serão utilizadas em outras escolas municipais. Não vamos perder nada”, disse.

O teatro municipal está fechado desde o ano de 2015. As obras conduzidas pela Trubian Engenharia e Serviços LTDA iniciaram no dia 10 de Janeiro. A parte elétrica ficou a cargo da Construtora Atual LTDA. A expectativa do Executivo é de que o novo anfiteatro seja concluído e entregue no mais tardar até o término deste primeiro semestre de 2017.

Paulo César Desidério
Redação Diário da Serra

Desfile Cívico faz parte das comemorações de aniversário de Tangará

“Mais uma vez os participantes deram show de cidadania”, diz secretário

Fazendo parte das comemorações alusivas aos 41 anos de emancipação político administrativa do município de Tangará da Serra, aconteceu no último sábado 13/05, o Desfile Cívico, com mais de 25 participações, entre escolas da rede pública e privada, associações, entidades e representantes do serviço público municipal e estadual. Sendo: a Polícia Militar (com viaturas, Banda e com o Projeto Guardiões do Futuro), Corpo de Bombeiros Militar, Apae, Centros Municipais de Ensino Infantil Décio Burali, Mariquinha Tavares, Atacílio de Souza, Irmã Maris Stela, Maria Arlene, Cecília Barcelos e também a Escola Pingo de gente; Igreja Evangélica Assembleia de Deus, Centro Municipal Indígena (Formoso e Zozoitero), Antônio Hortolani, Ayrton Senna, Jonas Lopes, Ulisses Guimarães, 29 de Novembro, Gentila Suzin Muraro, Joana Darc, IFMT, Ramon Sanches Marques, 13 de Maio, Patriarca da Independência, Dr. Hélcio de Souza, Pedro Alberto Tayano, Tangará Carros Antigos e Moto Clube Estradeiros da Serra.

Preservação ambiental, materiais recicláveis, palavra de Deus, resgate de brincadeiras e contos literários, foram alguns dos temas levados para a avenida que nesse ano, ficou totalmente tomada por expectadores, que se aglomeraram para participar do evento. O ponto alto se deu com a participação da Polícia Militar de Tangará da Serra, mais especificamente, da Força Tática, que realizou evoluções na avenida, atraindo atenção e admiração dos participantes.

Segundo o secretário de Educação do município, Adriano Fernandes, como era de se esperar, o desfile foi mais uma vez uma sucessão de aprendizado, alegria, cultura e beleza. “Foi novamente um momento ímpar, onde os participantes mostraram com muito esmero seus trabalhos e conquistas. Tudo aconteceu dentro do programado e nos deixou muito felizes, pelo grande número de participantes. Mais uma vez os participantes deram show de cidadania. Parabéns a todos”, destacou.

Rosi Oliveira
Redação Diário da Serra

Mais de 25 escolas e entidades participarão do Desfile Cívico

O desfile, como tradicionalmente acontece, será realizado na Avenida Brasil

Tangará da Serra completará na próxima semana 41 anos de emancipação político-administrativa. Para marcar a data, diferentes cerimônias estão sendo agendadas para este mês, entre elas o tradicional Desfile Cívico, que acontece exatamente na data de aniversário – dia 13 de maio.

De acordo com o coordenador Municipal de Cultura, Anselmo Parabá, neste ano o desfile contará com mais de 25 participações, entre escolas da rede pública e privada, associações, entidades e representantes do serviço público municipal e estadual. “O desfile tradicionalmente acontece na cidade há muitos anos e esse ano vem sendo preparado com muito carinho (…) Os professores, as fanfarras, os corpos coreográficos estão trabalhando bastante para o desfile. Então a gente percebe que tudo é realizado com muito carinho por todos que irão participar deste momento festivo da cidade”.

No evento, além de comemorar o aniversário do município, levando um pouco da história desta jovem cidade, o desfile também é um importante instrumento de informação, pois, na ocasião, escolas e entidades aproveitam a oportunidade para mostrar um pouco do que estão realizando. “E gostaria de convidar toda a população tangaraense, toda a comunidade em geral, para participar do desfile (…) é um momento do tangaraense ver Tangará da Serra passar na avenida”.

O desfile será realizado na Avenida Brasil, entre a Rua Sebastião Barreto (8) até a Praça Antônio Alves Duarte (antiga prefeitura), local onde será montado um palco para as autoridades. 

Participarão do desfile, na sequência de apresentação, a Polícia Militar (com viaturas, Banda e com o Projeto Guardiões do Futuro), Corpo de Bombeiros Militar, Apae, Centros Municipais de Ensino Infantil Décio Burali, Mariquinha Tavares, Atacílio de Souza, Irmã Maris Stela, Maria Arlene, Cecília Barcelos e também a Escola Pingo de gente; Igreja Evangélica Assembleia de Deus, Centro Municipal Indígena (Formoso e Zozoitero), Antônio Hortolani, Ayrton Senna, Jonas Lopes, Ulisses Guimarães, 29 de Novembro, Gentila Suzin Muraro, Joana Darc, IFMT, Ramon Sanches Marques, 13 de Maio, Patriarca da Independência, Dr. Hélcio de Souza, Pedro Alberto Tayano, Tangará Carros Antigos e Moto Clube Estradeiros da Serra.

Fabíola Tormes
Redação Diário da Serra

Semec promoveu 2º Encontro Saberes da Cultura Indígena

Evento reuniu alunos e comunidade escolar no auditório do Cefapro

A Secretaria Municipal de Educação e Cultura (Semec) realizou nesta quarta-feira, 19, a segunda edição do Encontro étnico-racial Saberes da Cultura Indígena. O evento ocorreu nas dependências do Centro de Formação e Atualização Profissional (Cefapro).

“Esse é o nosso segundo encontro étnico-racial saberes indígenas dentro do currículo. No ano passado nós começamos, foi um evento que deu muita oportunidade para crianças e adolescentes conhecerem um pouco dessa cultura e saberem por que nós comemoramos o dia do Índio, não só o dia 19, mas quais são as contribuições do povo indígena hoje, quais são os seus avanços, o seu crescimento e a luta desse povo”, explicou a coordenadora da Educação Indígena da Semec, Eude Camargo que complementou ainda que a atividade foi aberta à comunidade, inclusive com participação dos próprios índios. 

“Estivemos desde a manhã com todos os índios da Aldeia Formoso, com professores, coordenadores, alunos, pais e mães da comunidade em geral e eles estão tendo a oportunidade de conhecer um pouco sobre a cultura indígena, principalmente sobre a cultura indígena Paresí”, explica.

Conforme Eude, o encontro contou com participação ativa das escolas municipais.“Como nós estamos trabalhando currículo e a diversidade cultural faz parte do currículo, as nossas escolas também durante os meses de março e abril, desenvolveram pesquisas e estudos sobre a questão indígena e hoje eles estão fazendo a mostra desses trabalhos. Trabalhos escritos, trabalhos apresentados como teatro e as mostras foram as produções das escolas. Então, fazemos essas trocas de experiências”, concluiu.

Por Paulo César Desidério - Redação Diário da Serra